A importância do curriculum vitae para conseguir emprego em boas empresas

curriculum-vitae-empregos

Nos tempos que correm, onde predomina o emprego e desemprego, torna-se importante saber obter mais probabilidades de ser aceite em novas empresas. Uma das formas para optimizar essa possibilidade, é através da carta de apresentação com Curriculum Vitae.

O que é um Curriculum Vitae?

O Curriculum Vitae desempenha o papel de um cartão de apresentação, ou seja, transmite a imagem pessoal e as qualidades, aptidões e competências que o candidato possui. Este documento é pois o primeiro passo para iniciar a carreira profissional, pelo que não deve ser encarado como mais um papel sem importância.

É, por isso, de extrema importância saber utilizá-lo como um instrumento de venda, onde se “vendem” habilitações e capacidades, tendo como objectivo iniciar e estabelecer um elo de ligação entre quem procura um emprego e o empregador.

Assim, é fundamental investir na elaboração do Curriculum Vitae…

Elaboração do Curriculum Vitae

De modo a atingir o objectivo acima proposto, o conteúdo do Curriculum Vitae deve procurar:
– Despertar o interesse do seleccionador para conhecer o candidato;
– Dar uma imagem correspondente ao perfil pretendido;
– Dar uma visão imediata de evolução e potencial;
– Passar a primeira fase de selecção;
– Apoiar a entrevista;

Nunca descuidando estes pontos, é ainda importante obedecer às seguintes regras:
– Elaborar o Curriculum em folha A4, sem linhas, e escrever apenas numa das faces;
– Não exceder uma ou duas folhas;
– Utilizar os verbos na primeira pessoa;
– Escrever o texto por extenso, à excepção dos números;
– Evitar redigir à mão, salvo indicação contrária;
– Usar a cor preta para escrever;
– Redigir o texto de forma clara, permitindo uma leitura fácil, com espaços e margens idênticos do início ao fim do documento;
– Evitar agrafar ou dobrar demasiado o Curriculum;
– Evitar os “itálicos”, as caixas sublinhadas, os sombreados ou elementos gráficos que, eventualmente, prejudiquem o tratamento electrónico da informação;
– Evitar os erros ortográficos e gramaticais;
– Inserir campos separados e titulados;
– Evitar parágrafos com mais de 5 linhas;
– Fazer acompanhar o Curriculum de uma carta de apresentação manuscrita;
– Trabalhar a informação com uma ordem lógica e sequencial.

Que informação deve conter o Curriculum Vitae?

– Nome e apelido do candidato;
– Morada e número de telefone;
– Data de nascimento e estado civil;
– Nacionalidade;
– Qualificações académicas práticas e profissionais;
– História de emprego;
– Outras informações (carta de condução, línguas, informática…);
– Referências;
– Interesses.

1 – IDENTIFICAÇÃO/DADOS PESSOAIS OU BIOGRÁFICOS

Nome, Morada, Telefone, Data de Nascimento, Estado Civil, n.º do B.I., n.º da carta de condução, Naturalidade, Situação Militar e Correio Electrónico.
2 – HABILITAÇÕES LITERÁRIAS/ACADÉMICAS
Nível de escolaridade que possui, data em que terminou, escola ou universidade que frequentou e média obtida (a designação da escola e a média só se colocam se forem favoráveis).
3 – FORMAÇÃO PROFISSIONAL/COMPLEMENTAR
Neste ponto devem ser mencionados diplomas ou certificados profissionais adquiridos, quer no Centro de Formação Profissional, quer em Empresas. Devem referir-se, não só, conhecimentos de línguas, como outros conhecimentos que considere relevantes, por exemplo, conhecimentos de informática. Convém ter em conta que, ao mencionar os conhecimentos de línguas não se deve indicar, por exemplo, “cinco anos de inglês”, mas sim explicar, com precisão, o nível que domina: fluente, corrente ou noções.
4 – EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL
Se houve a realização de um estágio este deve ser mencionado (quando, onde e a função desempenhada). Em relação à exposição das funções desempenhadas, esta deve ser feita por ordem cronológica decrescente, sempre com a indicação dos anos. Deve fazer-se referência à função que se desempenhou, ao tempo durante o qual a desenvolveu e a empresa onde trabalhou.
Aqueles que nunca tiveram emprego devem indicar experiências de trabalho que tenham desenvolvido voluntariamente a tempo completo ou parcial (ex.: membro de uma Associação).
5 – ACTIVIDADES EXTRA-PROFISSIONAIS
Neste ponto devem referir-se eventuais actividades desenvolvidas mesmo quando estas não estejam directamente relacionadas com a actividade profissional (actividades culturais, desportivas, sindicais e associativas).

PARA FAZER PARTE DE UMA BASE DE DADOS:
As bases de dados têm, geralmente, um formulário tipo. Assim sendo, as respostas deverão ser claras e concisas.

RESPONDER A UM ANÚNCIO:
Neste caso há que ter em atenção prazos que possam ser estipulados no anúncio, de modo a cumpri-los. Se a resposta for a um apartado, procure dar resposta de modo que a carta chegue durante os 5 dias úteis a seguir à publicação do anúncio. Se a resposta for a uma empresa é também conveniente que o Curriculum chegue no início do processo de selecção. Caso contrário, lembre-se que a empresa pode, entretanto, ter já encontrado o seu futuro colaborador.

Apresentação por ordem cronológica

Este tipo de Curriculum Vitae descreve a experiência profissional cronologicamente, ou seja, começando pela mais antiga e acabando na mais recente. Esta ordenação tem a valia de proporcionar uma leitura clara e de permitir apresentar a sequência da carreira profissional.
No entanto, pode ser também apresentado de forma contrária, isto é, da experiência de trabalho mais recente para a mais antiga. Esta ordem tem como vantagem dar relevo às últimas actividades, sobretudo em casos em que estas se considerem de maior importância para a candidatura ao emprego em questão.

Por norma, o Curriculum Vitae por ordem cronológica deve ter a seguinte estrutura:
1- Dados de identificação;
2- Formação profissional;
3- Formação académica;
4- Experiência profissional;
5- Outras actividades.

VANTAGENS DA APRESENTAÇÃO POR ORDEM CRONOLÓGICA:
CLARO – Por ser bastante esquemático, torna-se mais fácil de analisar e de categorizar a pessoa que o envia.
BREVE – A informação é facilmente sintetizada já que se evitam as descrições e exposições de motivos e objectivos. Tal leva a que este seja o preferido sempre que o anúncio exija, explicitamente, um Curriculum de uma página.
OBJECTIVO – Este é um tipo de curriculum muito directo. Consequentemente, não existem interpretações muito diferentes.
ESPERADO – grande parte dos empregadores já conta com este tipo de Curriculum dirigindo, por isso, rapidamente o olhar para as áreas que lhe interessam.

DESVANTAGENS DA APRESENTAÇÃO POR ORDEM CRONOLÓGICA:
– Quando se possui pouca experiência profissional este tipo de Curriculum não é recomendável.
– Quando a especialidade do candidato é pouco conhecida este tipo de Curriculum poderá tornar-se prejudicial.
– Este Curriculum não permite pôr em segundo plano um ou outro aspecto menos favorável do candidato.
– Quando a última experiência profissional não é a mais relevante para o emprego em questão este tipo de curriculum não será aconselhável.

Apresentação por conhecimentos / funcional

Este tipo de Curriculum consiste em dividir a história/experiência profissional em conhecimentos específicos/administrativos, capacidade de comunicação, resolução de problemas e conhecimentos técnicos. Por exemplo: “Durante o estágio na empresa x tive oportunidade de desenvolver a função Y, onde me foi dada a possibilidade de adquirir conhecimentos na área de …”. Esta abordagem é útil para pessoas com uma carreira profissional incipiente, irregular ou com interregnos. Além disso, demonstra que essas diversas experiências foram benéficas, visto terem proporcionado oportunidades para desenvolver várias capacidades.

Por norma, o Curriculum funcional deve apresentar a seguinte estrutura:
– Experiência pré-profissional;
– Educação e qualificação;
– Cursos externos;
– Interesses;
– Dados pessoais.

VANTAGENS DO CURRICULUM VITAE FUNCIONAL:
– Destaca a actividade profissional e as competências obtidas a partir dela.
– Relativiza acontecimentos e pormenores menos bons, como por exemplo, uma média de curso baixa ou uma experiência pouco adequada ao cargo a que se candidata.
– Os empregadores podem dar preferência a este tipo de Curriculum já que os dispensa de ler detalhes que não considerem tão importantes e que são relegados para o fim.
– Cria mais espaço para uma apresentação pessoal, a qual poderá convencer um potencial empregador que valorize a ambição, a capacidade de crítica e a capacidade de expressão.

DESVANTAGENS DO CURRICULUM VITAE FUNCIONAL:
– Muitos potenciais empregadores olham com desconfiança este tipo de Curriculum pois, geralmente, é utilizado para esconder informações que não são abonatórias para o candidato;
– É um Curriculum muito subjectivo, logo, pode causar diferentes interpretações a quem o ler
– Este Curriculum é, geralmente, muito extenso o que exige uma maior atenção por parte do seleccionador que, muitas vezes, não dispõe de tempo ignorando, desta forma, a candidatura;

Apresentação por objectivos

Esta forma de apresentar o Curriculum consiste na apresentação do candidato como um produto. Nesta situação, o candidato faz uma descrição da sua experiência profissional, salientando os aspectos que considera mais adequados para a empresa em questão (Ex: para um cargo de Relações Públicas, a experiência obtida em trabalhos temporários que implicassem contacto com o público, pode ser um factor importante). Os pormenores da carreira são fornecidos por ordem cronológica invertida, isto é, com a última experiência profissional em primeiro lugar.
Possivelmente, este é o tipo de apresentação com maior impacto. Além disso, permite escamotear algumas informações e realçar as que considera mais pertinentes.

Por norma, o Curriculum por objectivos deve ter a seguinte estrutura:
– Objectivos;
– Competências;
– Percurso;
– Diversos.

Apresentação de um Curriculum misto

O Curriculum misto adapta-se a situações específicas. Esta apresentação alia o formalismo do tipo cronológico à adaptabilidade do funcional. Assim, a estrutura deste tipo de Curriculum Vitae será:
– Identificação do candidato
– Descrição da situação actual de emprego
– Habilitações académica
– Experiência profissional (em ordem decrescente, tal como no Curriculum Vitae cronológico)

Este tipo de Curriculum apresenta uma boa organização e visibilidade destacando, ao mesmo tempo, a situação mais relevante para a candidatura.

Apresentação de um Curriculum electrónico

Seguem-se alguns conselhos a ter em conta na elaboração de um Curriculum electrónico:
– Evite parágrafos longos com mais de 6/7 frases;
– Introduza uma linha de separação entre cada parágrafo, de modo a facilitar a leitura;
– Alinhe todo o documento à esquerda;
– Utilize uma fonte comum com um tamanho de 10;
– Sempre que possível, evite parágrafos e cortes de linha;
– Evite texto em itálico, script, sublinhados, gráficos, negros ou sombras;
– Evite barras horizontais e verticais, bem como parênteses e aspas.

Quando se envia um Curriculum Vitae em formato electrónico, estes procedimentos facilitam a integração nas diferentes bases de dados existentes.

Que Curriculum Vitae utilizar?

De seguida, apresentam-se alguns pontos de referência de grande utilidade, de forma a melhor adequar o Curriculum à oferta em causa. No entanto, é necessário considerar que cada caso é um caso e que todos estes indicativos devem ser considerados como exemplos.

– Quando se possui uma carreira harmoniosa em que a candidatura em questão se assume como mais um passo progressivo, pode ser mais proveitoso escolher, ou o tipo de Curriculum cronológico ou o Curriculum por objectivos. Ambos poderão dar uma boa imagem do que já foi feito.

– Sempre que o aspecto mais importante numa candidatura seja a experiência profissional, o tipo de Curriculum mais adequado será o cronológico;

– Quando se termina um curso superior e se procura o primeiro emprego, qualquer actividade desenvolvida paralelamente ao curso deve ser destacada, através de um Curriculum funcional;

– No caso de uma pessoa desempregada, o principal destaque deve ser dado às realizações anteriores e não à situação actual, através de um Curriculum funcional;

– Sempre que o tipo de actividade desenvolvida seja muito diversificado e com muitas tarefas, é melhor evidenciar aquelas em que se destacou durante experiências anteriores. Logo, o Curriculum mais favorável será o Curriculum funcional;

– Quando se pretende mudar de empresa, mas prosseguindo no mesmo ramo de actividade, a situação actual é, sem dúvida, a mais relevante. Assim, o tipo de Curriculum mais aconselhável será o misto;

– Ao se optar por uma candidatura espontânea, em que o empregador gostaria de saber mais sobre as motivações do candidato, um Curriculum por objectivos será o mais indicado;

– Tratando-se de um concurso interno para ascensão na hierarquia da empresa, um Curriculum por objectivos pode ser o mais vantajoso. No entanto, no caso de uma experiência anterior importante, pode-se também optar por um Curriculum funcional;

– Se os requisitos de uma oferta de emprego são poucos, assim como as informações a incluir no Curriculum, será conveniente optar por um Curriculum sintetizado.

 
 
O QUE SE DEVE FAZER:
– Quando a experiência profissional não é muito vasta, não deve constar por ordem cronológica;
– Para corrigir uma falta de experiência profissional significativa devem fornecer-se outras informações complementares, como por exemplo, actividades extra-profissionais (ex.: actividades de voluntariado), que possam revelar o carácter e outras capacidades do candidato;
– A realização de muitos estágios pode indicar instabilidade, logo, interessa desenvolver as experiências profissionais recentes;
– Se a idade é inferior ou superior à exigida, pode optar-se por indicá-la numa rubrica “Diversos” e destacar as qualidades e capacidades de adaptação à cultura da empresa;
– Devem ser usadas palavras positivas e que revelem dinamismo.

O QUE NÃO SE DEVE FAZER:
– Enviar uma fotografia com um ar demasiado informal. Ao contrário, esta deve ser conservadora e ter o mínimo de qualidade;
– Apresentar um Curriculum com erros ortográficos, rasurado ou pouco legível. Por mais positivo que o seu conteúdo seja, a sua estrutura e apresentação nunca deve ser descuidada. Este é um dos motivos que podem levar um Curriculum a ser desclassificado.
– “Inundar” o Curriculum com redundâncias, banalidades ou abundância de detalhes;
– Amontoar a informação ao longo da página. Deve fazer-se uso de pontos indicadores e distribuir a informação;
– Chamar a atenção dos recrutadores para o domínio insuficiente de uma língua ou outro género de conhecimento (exemplo: conhecimentos razoáveis de …).