Sessão gratuita de 30 minutos para aliviar dores de costas

Outras ofertas

De acordo com um estudo de mercado, grande percentagem de trabalhadores europeus sofrem das dores de costas, devido a trabalhos pesados ou posição incorrecta da coluna durante o horário de trabalho. Eu pessoalmente também sofro diaramente com dores de costas devido a esforços físicos e grande carga de horários.

Recentemente, adquiri uma cabine hidromassagem para reduzir dores de costas ,  além de também de recorrer (ocasionalmente) a um medicamento (Voltaren) para aliviamento das dores de costas , o que também resulta, mas temporiamente.

Durante as férias, conheci o serviço-teste da empresa Club Natura, em que promove a oferta de 1 sessão gratuita de 30 minutos para testar um equipamento que permite tirar as dores de costas .

Dado que estou sempre disponível para ofertas e promoções e/ou amostras grátis , eis uma boa oportunidade para testar esta sessão grátis, de modo a verificar este tratamento que certamente será útil para todos aqueles que sofrem de dores das costas.

Aqui fica o link para os interessados em requisitar a sessão gratuita de 30 minutos para verem se eliminam com as dores de costas.

Introdução

As perturbações músculo-esqueléticas abrangem uma grande variedade de problemas de saúde. Os principais grupos são as dores e lesões dorso-lombares e as perturbações dos membros superiores causadas pelo trabalho, vulgarmente conhecidas como “lesões por esforços repetitivos” (repetitive strain injuries – RSI). Os membros inferiores também podem ser afectados.


As perturbações músculo-esqueléticas situam-se entre os problemas de saúde mais comuns relacionados com o trabalho, afectam milhões de trabalhadores europeus em todos os sectores de actividade e custam milhares de milhões de euros aos empregadores europeus. Tal facto não surpreende, uma vez que:


45% dos trabalhadores europeus dizem trabalhar em posições que provocam dores ou fadiga;

33% têm de movimentar cargas pesadas no trabalho.

Habitualmente, os trabalhadores europeus apontam as perturbações músculo-esqueléticas como um problema de saúde relacionado com o trabalho:


30% queixam-se de dores nas costas;

17% queixam-se de dores musculares nos braços e nas pernas.

Os 30% que anualmente se queixam de dores nas costas representam 44 milhões de trabalhadores europeus.


Os problemas de saúde variam entre o desconforto, dores ligeiras e condições médicas mais graves que obrigam a faltar ao trabalho e requerem tratamento médico e hospitalar. Nos casos mais crónicos, o tratamento e a recuperação são frequentemente insatisfatórios e o resultado pode ser a incapacidade permanente, com perda do emprego. No entanto, o problema poderia em grande parte ser evitado ou minimizado se a legislação em vigor em matéria de saúde e segurança e as recomendações de boas práticas fossem cumpridas.


As perturbações músculo-esqueléticas na agricultura

Como se pode constatar a partir dos números que se seguem, as perturbações músculo-esqueléticas são um problema que ocorre particularmente na agricultura:


Aproximadamente 60% dos trabalhadores do sector da agricultura e pesca estão expostos a posturas dolorosas no trabalho durante metade do tempo ou mais, a mais elevada percentagem de todos os sectores

Aproximadamente 50% dos trabalhadores do sector da agricultura e pesca transportam cargas pesadas durante metade do tempo ou mais

Mais de 50% dos trabalhadores do sector da agricultura e pesca estão expostos a movimentos manuais repetitivos durante metade do tempo ou mais

Os trabalhadores dos sectores agrícola e da construção são os que correm mais risco de perturbações na zona lombar e os dos sectores da agricultura, silvicultura e pesca enfrentam o maior risco de perturbações dos membros superiores relacionadas com o trabalho


Exemplos do problema fornecidos pelos Estados-Membros:

O inquérito de 2001/02 sobre doenças relacionadas com o trabalho notificadas pelos próprios, realizado no Reino Unido, revelou que 38 em cada 1000 pessoas que tinham trabalhado na agricultura nos últimos 8 anos registavam a mais elevada taxa de incidência de perturbações músculo-esqueléticas em comparação com todas as outras actividades.

Nos Países Baixos, a agricultura regista a taxa mais elevada de prevalência de lesões por esforços repetitivos, e

em França, um estudo de 1994 indicava que os trabalhadores do sector da agricultura e pesca são os que correm mais riscos de contrair lesões por esforços repetitivos.



Causas das perturbações músculo-esqueléticas

As causas físicas das perturbações músculo-esqueléticas incluem:

movimentação manual

cargas

postura inadequada e movimentos incómodos,

movimentos altamente repetitivos,

aplicação de força excessiva com as mãos,

pressão mecânica directa sobre os tecidos corporais,

vibrações, e

ambientes de trabalho frios


As causas relacionadas com a organização do trabalho incluem:

ritmo de trabalho,

trabalho repetitivo,

tempo atribuído às tarefas,

regimes remuneratórios,

trabalho monótono, e ainda

factores de trabalho psicossociais.


Quais são os grupos de risco?

As perturbações músculo-esqueléticas podem ocorrer em todos os tipos de funções e sectores de actividade, mas os trabalhadores manuais, com ou sem qualificações, são os que correm maiores riscos;

as perturbações dos membros superiores afectam mais as mulheres do que os homens, em grande parte devido ao tipo de tarefas que executam;

os trabalhadores mais idosos na Europa relatam mais problemas de perturbações músculo-esqueléticas;

os trabalhadores com emprego precário, tais como os de contrato a termo certo ou contratados por agências de emprego, estão consideravelmente mais expostos a trabalho repetitivo e em posturas que provocam dores ou fadiga.


Prevenção das perturbações músculo-esqueléticas

A metodologia para a prevenção de perturbações músculo-esqueléticas na Europa é a seguinte:


Eliminar os riscos de perturbações músculo-esqueléticas (por exemplo, através da automatização ou mecanização da tarefa)

Avaliar os riscos de perturbações músculo-esqueléticas que não podem ser eliminados

Combater os riscos de perturbações músculo-esqueléticas na origem

Adaptar o trabalho ao indivíduo, especialmente a concepção dos locais de trabalho, a selecção do equipamento de trabalho e a selecção dos métodos de trabalho e de produção.

Adaptação ao progresso técnico

Substituir o risco através da substituição das tarefas muito perigosas por tarefas menos ou nada perigosas.

Desenvolver uma política de prevenção global e coerente que abranja a tecnologia, a organização do trabalho, as condições de trabalho, as relações sociais e a influência dos factores relacionados com o ambiente de trabalho

Dar maior prioridade às medidas de protecção colectiva relativamente às medidas de protecção individual

Dar instruções apropriadas aos trabalhadores

Avaliação dos riscos de perturbações músculo-esqueléticas para os trabalhadores

Para uma prevenção eficaz das perturbações músculo-esqueléticas, há que identificar os factores de risco presentes no local de trabalho e em seguida adoptar as medidas práticas para prevenir ou reduzir os riscos. Chama-se a isto avaliação dos riscos.

Perguntas que devem ser colocadas a fim de identificar os riscos:


Quais são as causas?

Quais são os problemas?

O que deve ser feito?


A fim de se encontrar uma solução eficaz para um problema músculo-esquelético é muito importante observar atentamente a situação concreta no local detrabalho, visto que há muitos factores que variam consoante as funções e os locais de trabalho são todos diferentes. Há que ter em atenção todos os factores derisco possíveis, especialmente porque uma combinação de factores pode estar na origem de um risco. Os trabalhadores devem ser consultados.


Ao analisar o que pode estar a aumentar o risco de perturbações músculo-esqueléticas, considerar:


a carga

o local de trabalho

o trabalhador

a tarefa

A carga


A carga é pesada?

A carga é difícil de levantar ou movimentar, limita a visão ou é difícil de segurar?

É uma carga móvel (por exemplo, um animal ou um líquido que se move dentro de um contentor)?

O local de trabalho


O local de trabalho é desarrumado, com objectos nos quais se pode tropeçar?

Há espaço suficiente para trabalhar?

O chão ou o piso é irregular?

O chão é escorregadio ou a superfície instável?

As condições de iluminação são deficientes?

O ambiente de trabalho (por exemplo, temperatura, humidade, vento) vai afectar o trabalho?

Se a tarefa é realizada numa posição sentada, é fornecido um assento adequado?

O trabalhador


O trabalhador é fisicamente capaz de realizar a tarefa? – Não partir do princípio de que o é.

A trabalhadora está grávida ou tem um problema específico de saúde que possa comportar um risco para si e para o bebé?

O trabalhador sabe o que tem de fazer e como fazê-lo em segurança?

O trabalhador usa algum equipamento de protecção pessoal ou vestuário que possa limitar os seus movimentos na execução da tarefa?

O trabalhador está exposto a vibrações, pressão ou tensão susceptíveis de aumentar o risco de problemas de saúde?

O trabalhador dispõe de tempo de recuperação suficiente entre tarefas?

O trabalhador está fatigado quando executa a tarefa?

O trabalhador tem o controlo do ritmo de trabalho?


A tarefa


A tarefa requer movimentos repetitivos?

Requer movimentos incómodos, forçados ou de contorção, incluindo os actos de espremer, martelar ou bater?

A tarefa requer a manipulação de cargas a uma certa distância do tronco?

A tarefa requer uma postura incómoda como estar curvado ou de braços levantados?

A tarefa requer o levantamento ou transporte de cargas a distâncias excessivas?

As queixas ou faltas por doença do pessoal devido a dores nas costas indiciam a existência de um problema. Pondere a possibilidade de automatizar ou reorganizar o trabalho de modo a obviar à necessidade de qualquer levantamento manual de cargas. A fim de identificar todos os riscos, é necessário analisar a tarefa, o ambiente de trabalho e as capacidades do trabalhador na sua totalidade. Inclua acções como movimentar, transportar, empurrar, arrastar e levantar cargas.


Se a tarefa não pode ser eliminada e pode ser executada manualmente (ou seja, com riscos reduzidos), a formação e a informação constituem uma parte importante do plano de prevenção.


Combater os riscos de perturbações músculo-esqueléticas

No caso de a avaliação geral realizada identificar riscos decorrentes da movimentação manual de cargas, deverá:


eliminar a tarefa se tal for razoavelmente exequível;

avaliar as operações que não podem ser evitadas;

adoptar medidas para reduzir o risco de lesão.

A resolução de problemas relacionados com as perturbações músculo-esqueléticas envolverá frequentemente uma combinação de acções que incluem:


Medidas físicas – modificar o local de trabalho ou a carga

Modificar os métodos de trabalho

Proporcionar informação e formação ao trabalhador

Muitas das vezes o custo destas soluções é reduzido e é sempre diminuto em comparação com o custo decorrente de lesões incapacitantes e dolorosas. Regra geral, a redução dos riscos decorrentes da movimentação manual aumenta a eficiência da tarefa, reduz os custos da mão-de-obra e aumenta a motivação do pessoal.


Soluções simples


As soluções físicas para problemas relacionados com a movimentação manual são frequentemente pouco dispendiosas e fáceis de aplicar.


Alavancas


O simples uso de uma alavanca pode constituir uma solução muito barata e eficaz. Alguns exemplos de situações em que podem ser utilizadas alavancas:


ajudar a fazer pequenos ajustamentos na atrelagem de máquinas ou na colocação de portões;

mover lentamente na horizontal um artigo pesado como, por exemplo, um tanque de água;

utilizar um poste suplente ou um pé-de-cabra na vedação para remover postes, esticar arame, etc.;

ferramentas especificamente concebidas para levantar tampas de caixas de inspecção;

chaves extensíveis ou manípulos extensíveis em algumas ferramentas (tendo o cuidado de não danificar ou apertar demasiado os parafusos, etc.)


Plataformas


Mesas e plataformas, inclusive temporárias, podem ajudar à realização de uma tarefa na altura mais adequada. Pensar em utilizar:


um “banco” basculante sobre o quadro dianteiro do tractor para trabalho de manutenção num local afastado;

um carrinho ou suporte basculante num tractor para apresentar uma caixa de ferramentas pesada a uma altura conveniente sem ter de a levantar;

um banco improvisado, por exemplo com fardos de palha, para facilitar as tarefas de tratamento do gado;

arrumar os pesos dos tractores à mesma altura que o quadro de suporte, por exemplo em paletes (se não for possível transportá-los mecanicamente).

Contrapesos e energia armazenada


Utilizar um contrapeso ou energia armazenada para ajudar


Considerar a aplicação de um contrapeso para ajudar a levantar cargas tais como tampas pesadas de caixas de inspecção. Ter o cuidado de não pôr em risco a segurança das crianças quando uma tampa ou cobertura está fechada apenas com o seu peso.

Ajustar e manter auxiliares eficazes nos taipais traseiros (contrapesos, molas, etc.) dos veículos utilizados no transporte de gado.

Métodos destinados a melhorar a tarefa de ligação de equipamento aos tractores


Colocar o equipamento na posição exacta, utilizando uma qualquer inclinação para facilitar a operação.

Manter e utilizar a caixa de nivelamento de engate de três pontos e o ajustamento num ponto superior de engate.

Utilizar sistemas rápidos de ligar/desligar, por exemplo com uma estrutura em forma de “A”.

Considerar a possibilidade de autoligar e desmontar blocos de pesos em vez de pesos individuais.

Início da página


Informações adicionais

Para obter mais informações sobre medidas práticas destinadas a prevenir as perturbações músculo-esqueléticas, consultar:


Ficha técnica nº 4 da Agência – Prevenir as Perturbações Músculo-Esqueléticas relacionadas com o trabalho

Disponível em:   Español Čeština Dansk Deutsch Eesti Ellinika English Français Italiano Latviešu Lietuvių Magyar Malti Nederlands Polski Português SlovenčinaSlovenščina Suomi Svenska


Principais directivas que contemplam a prevenção das perturbações músculo-esqueléticas:


A Directiva 89/391 define um quadro geral para identificação e prevenção de riscos.

A Directiva 90/269 abrange a identificação e prevenção de riscos relacionados com a movimentação manual de cargas.

A Directiva 90/270 abrange a identificação e prevenção de riscos decorrentes do trabalho com equipamentos dotados de visor e estabelece prescrições mínimas respeitantes a equipamentos, ao ambiente de trabalho e à interface homem/máquina.

A Directiva 89/654 estabelece prescrições mínimas respeitantes aos locais de trabalho e aplicáveis, nomeadamente, a assentos, iluminação, temperatura e organização da estação de trabalho.

A Directiva 89/655 abrange a adequabilidade do equipamento de trabalho.

A Directiva 89/656 abrange a adequabilidade do equipamento de protecção individual.

A Directiva 98/37 abrange a maquinaria (substitui a Directiva 89/392).

A Directiva 93/104 abrange a organização do tempo de trabalho.

As normas comuns para concepção do equipamento de trabalho são fixadas a nível europeu. Estas normas são conhecidas como normas CEN. A série de normas CEN “Segurança de máquinas” é importante para os riscos de perturbações músculo-esqueléticas.

É possível obter mais informações sobre as directivas europeias (incluindo o texto integral), as normas CEN e a legislação dos Estados-Membros através das ligações a partir da página da Agência na Internet.